60% dos trabalhadores formais fazem bico para complementar renda

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Atualmente, ter um emprego no Brasil pode ser considerado um privilégio por muitos, já que o desemprego atinge 12 milhões de pessoas no país, mas estar no mercado de trabalho não é sinal de tranquilidade financeira. Para conseguir manter as contas em dia, 60% dos brasileiros empregados revelaram que fazem algum tipo de bico para complementar a renda, de acordo com pesquisa da BARE International.

A pesquisa ouviu mais de 1 mil brasileiros durante o fim do ano passado para entender os impactos da alta inflação no consumo e no dia a dia. Ao todo, 76% afirmaram que estão empregados, sendo que mais da metade (56%) não tiveram qualquer reajuste salarial.

A gerente da Bare no Brasil, Tânia Alves, afirma que nem mesmo as economias de gastos estão sendo suficientes. “Em muitos aspectos, nesse período o brasileiro começou a poupar de itens essenciais, como alimentação e moradia, até aqueles menos importantes como entretenimento e serviços de estética. É, de certa forma, esperada essa necessidade de complementar a renda, já que os salários pouco mudaram e não acompanham a inflação”, explica.

A especialista em desenvolvimento humano e organizacional Adriana Schneider destaca que muitos segmentos ainda engatinham com as consequências da pandemia do novo coronavírus e, por isso, as condições prejudicaram os trabalhadores para um salário um pouco mais atrativo.

“Há segmentos que já sofriam antes da pandemia e após isso piorou. Alguns foram muito prejudicados, como o de serviços, principalmente eventos, bares e restaurantes. É difícil ter uma remuneração mais alta, o que deve levar muito tempo”, afirma ela.

Diante da questão socioeconômica, Adriana avalia que muitos que trabalham formalmente optam por esse segundo trabalho para ganhar renda extra. “Tem sido um caminho para complementar para além de um trabalho CLT, seja usando uma habilidade manual, como cozinhar, artesanato ou trabalhar como motorista de aplicativo”, destaca ela.

A especialista vê nas plataformas sociais uma saída para essas pessoas que buscam outra renda. “O caminho que eu vejo como possível está ligado nas redes sociais, abrindo um negócio vendendo produtos e serviços, assim como também sendo parceiro de indicações de plataformas, oferecendo serviços de agendamento para além da carteira assinada”, afirma Adriana.

Bicos feitos pelos brasileiros
  • Revendedora de produtos

Para além das alternativas ditas pelas especialistas, outra renda extra é a revenda de produtos nacionais e importados. Essa prática é bastante comum, em que uma pessoa compra uma quantidade de produtos e itens em lojas de atacado ou em lojas virtuais, por um preço mais acessível ou com desconto vantajoso pela quantidade, e revende por um preço com margem de lucro.

Fonte: contadores.cnt

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

MEI NÃO TERÁ MAIS NOME FANTASIA

O COORDENADOR-GERAL DE GESTÃO DE CADASTROS E BENEFÍCIOS FISCAIS – COCAD, no uso das atribuições, declara: Art. 1º A informação do atributo Nome de Fantasia

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Recomendado só para você
A Receita Federal tem enviado aviso de que diretores de…
Cresta Posts Box by CP