A empresa faliu, e agora o que fazer?

Compartilhe nas redes!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Muitas empresas faliram ou entraram em processos de recuperação judicial no Brasil por causa da pandemia. Em agosto de 2021, esses pedidos cresceram 50% desde o início do ano, segundo dados do Indicador de Falências e Recuperação Judicial da Serasa Experian. As crises hídrica e econômica, assim como o desemprego, acentuaram o quadro. Dessa forma, as empresas do segmento de comércio foram as mais afetadas e, com o advento da Lei n.º 14.112/2020, se viram diante de atualizações na Lei de Recuperações e Falências de Empresas, vigentes desde janeiro de 2021.

Segundo o advogado do escritório MBT Advogados Marcus Vinicius Infante, ainda em 2005, uma grande inovação legislativa adequou a matéria às novas práticas empresariais. “À época, a grande transformação se deu no tratamento da insolvência. A lei anterior, de meados da década de 1940, priorizava o regime falimentar – a ‘morte’ da empresa. A concordata era um instituto tratado somente a partir do artigo 139 e visava evitar ou suspender a decretação da falência, funcionando como um remédio para a quebra, uma medida específica e pontual”, analisa.

Entretanto, com a edição da Lei de Recuperação de Empresas e suas atualizações, o panorama se inverteu e o que antes era remédio virou “tratamento médico”, se prolongando no tempo. Dessa forma, a prioridade passou a ser dada às fases anteriores à quebra, ou seja, à crise econômico-financeira. Recebendo maior atenção, a etapa de recuperação passou a permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores. Com a novidade, o devedor pode buscar em primeiro lugar a recuperação da crise, bem antes de uma possível decretação de quebra.

Diante da falência de uma empresa, qualquer credor interessado deve buscar o pagamento das dívidas no que restar do patrimônio da empresa. “Dessa maneira, o que eventualmente tenha sido deixado pelo falido será dividido entre os detentores de direito de crédito, da maneira mais equânime que o caso permitir e nos termos da lei, sejam essas dívidas de natureza trabalhista, tributária, contratual, bancária, judicial, multas e juros, fornecedores ou prestadores de serviço, entre outros”, explica Marcus.

Assessoria jurídica no processo falimentar é fundamental

A assessoria jurídica tem papel importante na representação de qualquer das partes envolvidas em um processo de recuperação judicial ou falência, sejam eles a própria empresa devedora, quaisquer credores e interessados, ou mesmo a administração judicial, figura nomeada como auxiliar pelo Poder Judiciário.

A defesa do empresário falido deve assegurar todos os seus direitos, inclusive a proteção de seu patrimônio pessoal que não estiver vinculado à empresa. “Isso evita o abuso de direito e garante que a responsabilidade patrimonial do sócio falido seja justa e proporcional”, aponta o advogado.

Quanto à representação de credores e seus direitos de crédito, o advogado poderá verificar a relação jurídica ou contratual com a empresa falida ou recuperada, a classificação e natureza dessas obrigações, as datas e cálculos, principalmente sobre a correção monetária e eventuais juros contratuais ou legais, a ordem de prioridade dos pagamentos, tudo isso para garantir que a recuperação do crédito seja a mais eficiente possível para o credor em termos de prazo e valor.

Já a massa falida, por sua vez, é assessorada pela administração judicial, que deve ser pessoa jurídica especializada ou profissional idôneo nomeado pelo magistrado responsável por julgar a causa. Essa figura possibilita ao Poder Judiciário economizar com a estrutura estatal, ganhando eficiência na gestão e administração dos bens e direitos deixados pela decretação da quebra e consequente afastamento do sócio falido.

“A administração judicial é a responsável por arrecadar todo o ativo deixado pela empresa falida, liquidá-lo por meio de leilões ou outras modalidades de venda que atraiam maior arrecadação, levantar o passivo com base nos documentos deixados e no que for apresentado pelos interessados em receber quantia, organizar a relação de credores nos termos da lei, gerenciar e efetuar os pagamentos, entre outras obrigações”, esclarece o advogado.

Em suma, a assessoria jurídica é de essencial importância para o processo estar dentro dos termos estipulados pela lei e caminhar com celeridade e eficiência.

Fonte: jornalcontabil

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Recomendado só para você
Diz lá o parágrafo único do artigo 1.052 do Código…
Cresta Posts Box by CP